Arte Hermética has the purpose of artistic expression beyond the traditional means used (painting, sculpture, literature, poetry, dramaturgy among others) mainly in the forms of expression of the unconscious, diving in deeper strata of the human psyche, whose frontier is the Unknown. When a internal goal-processing takes place, doubtlessly we have become Hermetics.

SOCIEDADE LAMATRONIKA - Página Oficial / Official Page

Photobucket - Video and Image Hosting

quarta-feira, 26 de dezembro de 2007

Austin Osman Spare

Nascido na cidade de Londres, Inglaterra em l886, Spare expôs uma extraordinária habilidade para desenho. Quando sua família se mudou para Kennington ele ficou sob a influência da 'Bruxa Patterson', que mais tarde o iniciou para o caminho da feitiçaria. Conforme sua arte foi melhorando, matriculou-se numa classe noturna em Lambeth Art School e em l902 tornou-se o mais jovem receptor da National Mathematics Award com seu tratado na Geometria Sólida. No ano seguinte foi recomendado para uma bolsa gratuita no Royal College of Art, e em dois anos executou um pequeno desenho quando estava somente com quartoze anos de idade despertando grande interesse entre os connoisseurs e críticos de arte em 1904 da Royal Academy Summer Exhibition.

Encorajado pelo sucesso, privadamente publicou seu primeiro livro ilustrado 'Earth Inferno' quando tinha dezoito anos em Fevereiro de 1905. Uma poderosa e metafísica percepção do 'Self' em relação ao cosmos, 'Earth Inferno' pretende comunicar os princípios fundamentais do mágico desenvolvimento de Spare, sua gnose pessoal, e apresentou um ativo período de patronato e um trabalho em livro ilustrado. Connoisseurs da Arte como Charles Ricketts, André Rafflovich, Pickford Waller e Desmond Coke apreciaram rapidamente a única doação de Spare: a mão de Dürer e o olho de Dante. Um segundo fólio, 'The Book of Satyrs' foi privadamente publicado em 1907 - um pouco antes à sua primeira e notória exibição 'West End' em Bruton Gellery em Outubro. Em um resumo das admiráveis aquarelas e pena e tinta dos desenhos que a exposição oferecia, um crítico escreveu:

"A espantosa excentricidade para a perpetração do qual este precoce gênio, Sr. Austin O. Spare aplica seus raros dons, provavelmente será falado dos estúdios de Londres por muitos dias que virão... sua condição de artífice é soberba; seu trato da linha não tem sido igualado desde os dias de Aubrey Beardsley; sua faculdade inventiva é assombrosa e aterrorizadora em sua torrente criativa de horrores impossíveis...”

O modesto artista de Kennington tinha tornado-se o 'infant terrible' de Mayfair.

Entre 1909 e 1913 Spare teve diversas exibições 'West End' durante o desenvolvimento de seu mais importante trabalho: 'The Book of Pleasure'. Apesar de ele flertar brevemente com Crowley durante este período, foi seu cortejo e eventual casamento com Eiley Gertrude Shaw em 1911 que catalisou e inspirou a evolução de suas técnicas mágicas. Publicou em 1913 'The Book of Pleasure' exibindo-nos o primitivo estilo que tinha dado caminho a uma decoração, mais sutil, a pena do desenhista. Mais importante, contudo, o livro sugere técnicas avançadas para acessar o que o psicólogo Carl Jung utilizou mais tarde como uma das pedras-angulares do Surrealismo, foi largamente mal interpretado na Londres Eduardiana. Não dissuadido, em 1916 Spare fundou e co-editou 'Form: A Quaterly of the Arts' sob a impressão de John Lane. Pródigo e dispendioso o título cedeu no ano seguinte quando Spare foi convocado, tornando-se um artista oficial de guerra. Isto foi reanimado brevemente em uma modesta 'second series' por Spare depois da publicação do seu quarto livro 'The Focus of Life' em l921. Este posterior trabalho, uma catarse de suas experiências de batalha, proferindo uma narrativa de sonhos-característicos e visionários desenhos em lápis. Isto foi bem recebido, mas foi seu penúltimo trabalho publicado. Em 1924, 'The Golden Hind', do qual foi co-editor com Clifford Bax, cessou a publicação, impelindo o artista a retirar-se para suas raízes no sul de Londres.

Vivendo e trabalhando em seu minúsculo estúdio no município onde a ira e frustração de Spare manifestou-se em seu último livro publicado 'The Anatema of ZOS' em 1927. Sua exibição em 1930 seria seu último 'West End' exibido por 17 anos e Spare brincou com seu amigo jornalista Hannen Swaffer dizendo que ele estava contemplando 'o forno de gás'. Contudo, Spare sobreviveu a Grande Depressão e desenvolveu uma nova técnica para esboço a qual ele denominou 'Siderealism'. Baseado em uma forma logarítmica de projeção anamorfótico[1] e isto provou ser um sucesso muito popular e sua exibição de 1936 resultou em uma inesperada petição. Adolf Hitler recebeu um dos retratos em pastel de Spare como uma doação e ficou tão impressionado que ele pediu ao artista para viajar para Berlin, encarregar-se de uma comissão. Spare recusou - e tornou-se uma celebridade secundária!

Tragicamente ainda, em 1941, no apogeu da Blitz, o estúdio de Spare na Walworth Road recebeu um choque e foi completamente destruído. Spare foi ferido, mas recuperou-se e encontrou uma casa em Brixton com uma antiga amiga chamada Ada Millicent Pain. Sua exposição na Archer Gallery em 1947, planejado por seu amigo jornalista Dennis Bardens, e em nome do qual produziu mais de 200 trabalhos, foi uma venda quase total e indicadora em sua surpreendente renascença pós-guerra.

Em 1949 um juvenil Kenneth Grant procurou Spare e o encorajou a retornar ao seu primitivismo, diretamente aos temas mágicos. As exposições e exibições em tavernas nos idos dos anos 50 mostraram um artista maduro de incrível vigor, trabalhando a altura dos seus poderes. Na idade de 68 anos o comando do pastel médio de Spare poderia dificilmente ser equiparado e ele recebeu o desejoso patrocínio de doutores, psicólogos, jornalistas, professores, críticos e connoisseurs. Seus modos idiossincráticos de expressão gráfica, semelhante como 'Automatism', 'Siderealism', 'Psycho-Realism', 'Psycho-Revisionism' e 'Sigillic Formulæ' permanecem como técnicas pioneiras. Sua súbita morte em 15 de Maio de 1956 moveu muitos tributos de lamentação com a perda de um singular e peculiarmente gênio Inglês.

Através de sua vida, Spare incorporou a Corrente. 'The Book of Pleasure' é um dos mais importantes tratados mágicos do século XX, varrendo para longe a complexa cerimônia da magick tradicional e introduzindo o simples, mas infinitamente poderoso conceito do 'Self-Love', 'Sigils', 'The Death Posture'. Seu único trabalho gráfico representa o mais importante corpo magicko-através-da-arte já existente. No estudo de alguns dos quadros de Spare o observador é capturado pela oculta energia vital, criando o 'en-trance'[2] para os reinos do gênio de ZOS: e assim a Corrente é manifesta. Sistemas mágicos de Spare são discutidos além deste no ensaio 'ZOS: The New Flesh of Desire' por Gavin Semple, que pode ser encontrado na 'Starfire Magazine' volume 1 número 5, e será publicado brevemente como uma brochura sob a impressão da 'Fulgur'[3].

Abaixo, alguns dos desenhos de Austin Osman Spare e uma foto com seus "familiares".















































































Robert Ansell – 1994©.

Tradução de Cláudio Carvalho – 2002, 2006.

SOCIEDADE LAMATRONIKA® – Todos os direitos reservados.



Notas:

[1] Imagem disforme que, vista a distância, por certos espelhos parece regular; arte de representar essa imagem.

[2] Ingresso em-transe.

[3] Este texto foi publicado em 1994. O leitor interessado deve verificar com a Fulgur Publishing sobre maiores detalhes da publicação desta brochura.

Aubrey Beardsley

Aubrey Vincent Beardsley (1872-1898) nasceu em Bringhton, Inglaterra. Foi um influente artista, ilustrador e autor. Estava alinhado com o Yellow Book, um coterie (grupo) de artistas e escritores, e produziu muitas ilustrações para a revista. Ele estava também intimamente alinhado com Æsteticismo [1], a contraparte Britânica da Decadência e Simbolismo.

Aubrey Beardsley foi a mais controverso artista da Art Nouveau, renomado por suas imagens negras e perversas e o grotesco erótico, com temas que ele explorou em seus últimos trabalhos. Suas mais famosas ilustrações eróticas estavam nos temas de história e mitologia, incluindo suas ilustrações para Lysistrata e Salomé. Muitas de suas imagens são feitas em nanquim, e configurados em amplas áreas negras contrastando com as amplas áreas em branco.

Foi um amigo íntimo de Oscar Wilde e ilustrou sua peça Salomé em 1893 para seu lançamento na França; ela foi lançada em Inglês no ano seguinte.

Ele também produziu extensas ilustrações para livros e revistas (por exemplo, para uma edição deluxe de Le Morte d’Arthur de Sir Thomas Malory) e trabalhou para revistas como The Savoy e The Studio. Beardsley também escreveu Under the Hill, um conto erótico inacabado baseado livremente na lenda de Tannhäuser.

Beardsley foi também um caracturista e fez mesmo algumas charges políticas, espelhando o espírito irreverente de Wilde na arte. O trabalho de Beardsley refletiu a decadência de sua era e sua influência foi enorme, claramente visível nos trabalhos dos Simbolistas Franceses, o Poster Art Movement de 1890 e o trabalho de muitos artistas do pós-período da Art Nouveau como Pape, Mucha and Clarke.

Ele tinha um caráter excêntrico tanto público quanto privado. Ele disse, “Eu tenho um alvo - o grotesco. Se eu não sou grotesco eu não sou nada.” Wilde disse que ele tinha “um rosto como uma machadinha de prata e cabelos verdes como a grama.”

Não obstante Beardsley estava alinhado com a facção homosexual que incluiu Oscar Wilde e outros estetas Ingleses, os detalhes da sexualidade de Beardsley permanecem em questão. Especulação sobre a sexualidade do artista inclui rumores de uma relação incestuosa com sua irmã mais velha, Mabel, que pode ter abortado uma criança dele.

Beradsley morreu de tuberculose em Menton, França aos 25 anos em 16 de Março de 1898.

Nota:

[1] Movimento estético em voga na Inglaterra Victoriana